SINDESP

Dúvidas Sobre a Vacinação

JESS – Portal da Notícia – 1.488 publicadas – sindesp.org.br

1. Por que devo me vacinar?

As vacinas são o melhor jeito de controlar doenças infecciosas. Doenças como paralisia infantil ou difteria foram erradicadas por causa das vacinas, e, apesar do pouco tempo, as vacinas para Covid-19 são confiáveis. Neste momento de sobrecarga do sistema de saúde, a vacinação em massa é imprescindível. A doutora Silvia Fonseca explica: “Nunca antes a humanidade enfrentou uma situação tão difícil como uma infecção transmitida por gotículas, que passa muito fácil e que para algumas pessoas leva à hospitalização, à UTI, à morte. Ou ainda deixa algumas efeitos. As vacinas são uma saída segura para uma situação tão complexa”.

2. O que é preciso para tomar a vacina?

Qualquer pessoa poderá tomar a vacina quando houver estoque. As contra-indicações são muito pequenas, como no caso do paciente estar se recuperando de uma infecção grave. “Quando a gente diz que a pessoa gripada não pode tomar, a gente precisa distinguir um pouco: a pessoa com nariz entupido, com dor de garganta leve, não deve perder a oportunidade de se vacinar. A contra-indicação não se refere a fazer mal, uma pessoa que está se recuperando de tratamento de câncer, de infecção grave, pode não desenvolver todas as respostas do imunizante”, frisa Silvia.

3. Quem deve ser vacinado?

A vacinação é realizada em grupos, sendo que no Ceará ainda estamos na primeira fase, que inclui os trabalhadores da saúde e os idosos a partir de 75 anos. Essas pessoas são grupo prioritário porque estão mais sujeitas a pegar a doença ou a apresentar complicações graves.

4. Quanto tempo leva para a pessoa ficar imune?

As vacinas disponíveis no Ceará, Coronavac e AstraZeneca, precisam de duas doses para fazer efeito. As pessoas ficam protegidas das formas graves da doença, provavelmente, cerca de três semanas após a segunda dose.

5. O que a vacina pode causar?

Vermelhidão, inchaço ou dor ao redor do local da injeção, bem como febre, fadiga e dor de cabeça nos três primeiros dias após a vacinação são sintomas normais. Ocorrem porque as vacinas estimulam o sistema imunológico das pessoas, mas não há risco de efeitos colaterais graves.

6. Por que os cuidados continuam

O estoque das vacinas ainda não é suficiente nem para os grupos prioritários. Além disso, temos novas variantes, muito mais transmissíveis. “A vacina protege contra formas graves, mesmo vacinada a pessoa pode adquirir coronavírus e transmitir para outros, que poderão ter a forma mais grave. A gente precisa proteger uns aos outros, não dá para ter um comportamento egoísta em detrimento de todas as outras pessoas que vivem em sociedade com a gente”, reforça a doutora Silvia.

7. Como controlar a doença?

É importante continuarmos usando máscaras e praticando o distanciamento social para evitar o contágio nesta segunda onda da pandemia. “Para combater a Covid-19, nós precisamos de máscara, álcool em gel e, é claro, das vacinas. Até que todo mundo esteja imunizado, a máscara ainda vai ser muito importante. Não deixem de usar a máscara!”, completa a médica.

A vacinação é importante para diminuir formas graves de doenças. O uso de máscara, o distanciamento social, procedimentos higiênicos e sanitários são necessários para o combate à COVID-19. A imunização vem trazendo esperança, alegria, emoções, alívio na comunidade vacinada. SAÚDE DIGITAL